sexta-feira, 11 de junho de 2010

Meus problemas com a Geração Y

Tenho algumas críticas quanto ao conceito de Geração Y (pessoas nascidas na década de 80 e início de 90). Acredito sim que essa geração possui novos hábitos de consumo porque nasceram em uma época na qual a globalização é uma realidade, a Internet na sua forma comercial está consolidada e toda a tecnologia de comunicação deixou de ser coisa de engenheiro e especialista e se tornou muito mais próxima do nosso dia-a-dia.

Mas, daí a achar que são algo absolutamente novo que merece toda essa lambeção que vemos no noticiário vai uma grande distância.

Primeiro, se você pegar toda a punhetação teórica em cima do termo irá perceber que na verdade ele define o comportamento instável de um jovem típico. Quer sempre aprender mais, não pára no emprego, necessita de acompanhamento de uma pessoa mais velha (os especialistas em Recursos Humanos sempre dizem q a Geração Y não deslancha sem um coaching ou mentoring), gostam de dinheiro e novidades, etc... E, principalmente, reage de forma passional e receptiva aos temas que são importantes à sua época (como ecologia, ética) e que geram uma ruptura com o que pensam seus pais. Ou seja, é um jovem como um jovem deve ser.

Era assim na década de 70 e na de 60 /// não dá pra ir muito mais longe nessa comparação porque o estudo de gerações começou recentemente, com o fenômeno dos baby boomers, que são os filhos do pós-guerra e da estabilidade econômica e da reconstrução do pós 2ª Guerra. Mas, acredito que em gerações anteriores não era diferente... costumo ver os conflitos na história da arte e do pensamento para tirar uma idéia ou outra nesse sentido.

Me aponte uma nova geração que não rejeitou ou redefiniu os valores da anterior e eu apago esse post.

A geração Y está na moda apenas porque é um novo e potencial mercado para as empresas venderem seus produtos. O que me leva a crer que o hype em cima do termo é mais influenciado pelo comércio do que qq aspecto social. Eles são bons consumidores porque têm dinheiro na mão e uma ânsia de comprar coisas que sejam típicas de sua geração.

O q tb não é novidade. A publicidade e o marketing sabem há décadas que os jovens usam o consumo como forma de aceitação social.

Jovens também costuma se ligar em pessoas com o mesmo pensamento e criam comportamentos alternativos para serem aceitos em grupos e ajudar na difícil fase de transição da adolescência para a vida adulta. Com isso acabam assumindo liguagens próprias desses grupos. Nenhuma novidade.... interagir entre eles com palavras e expressões q são estranhas aos mais velhos (saca as conversas por SMS?), fortalecer os laços dos grupos onde são aceitos (saca comunidades virtuais e movimentos como emos, cyberpunks, etc... e saca as tão faladas comunidades?).

Qual a novidade então?

A novidade é que a geração Y é usuária plena da tecnologia.

Uau!!! Mas, que tecnologia? A que eles criaram? Não. É a que os pais criaram.

E aí o caldo da geração Y começa a entornar.

A Internet foi desenhada e nasceu na Guerra-Fria, ou seja, é uma invenção de baby-boomers. Tudo bem que era só coisa de militares, cientistas e governantes com medo que o inimigo destruisse o mundo... Mas, mesmo a rede mundial de computadores que conhecemos hoje foi obra de Tim Berners-Lee e outros gênios q estão longe de serem geração Y. O Mosaic, primeiro navegador visual de sucesso da então careta Internet é de 1993, criado por um grupo de acadêmicos que eram ou baby-boomers ou geração X.

A Web Social, ou Web 2.0, ou seja lá como queiram chamar, também é fruto do movimento comercial iniciado no final dos anos 90 por jovens que trataram de abrir a fronteira do comércio eletrônico e ajudaram a criar a bolha pontocom. Eram mais geração X do que qq outra coisa.

Sim, a geração Y é filha da tecnologia... mas esse "filha" deveria ser melhor entendido. E, se bobear, nem é a que mais sabe lidar com isso. Já que nasceram com tudo isso amadurecido, não conseguem ver as rupturas da mesma forma q alguém q passou sem computador, viu como o bicho era útil, não tinha Internet e viu como a rede era útil... não sabe a diferença entre um mainframe e uma arquitetura cliente-servidor, não sabe o que foi o downsizing para a taxa de emprego, não sabe a diferença entre a reserva de mercado e a globalização, etc, etc, etc....

Para a GenY, a ruptura é normal. E, sendo assim comum, não é percebida de imediato. Já, quem viveu várias rupturas, tem maior capacidade de enxergar qdo algo está mudando ---> questão de experiência acumulada.

E, por aí vai... A geração Y gosta de falar inglês e é valorizada por isso. Mas, a globalização é um fenômeno que vem do fortalecimento do mercado de massa e do apetite financeiro mundial que se iniciou com os baby-boomers e recebeu muito fermento da GenX.

Há uma coisa típica da GenY q nunca é destacada. Até porque é uma falha e as empresas nunca vão falar.. "Olha q idiotas vcs são".. pq pode perder um potencial consumidor. É a geração que teve os ritos de passagem da infância pra adolescência e para a fase adulta (sim, os caras já beiram os 30 anos e já são homenzinhos e mulheres formadas) mais livres. A GenX e os baby boomers foram péssimos pais, foram ausentes por diversos motivos.... Não é por acaso que existe um conceito muito bom para definir os nascidos na década de 80 que é a Peter Pan Generation... mas, que foi esquecido. Ah... o conceito Mileurista (q é europeu e não americano como a geração Y) tb é muito mais explicativo às vezes.

Sim, a Geração Y é um conceito americano e até parece q encaixa muito bem naquele país. Mas, no Brasil, já é meio torto. Ah, é a geração Internet. Mas, que Internet? Hoje temos cerca de 35 milhões de internautas ativos aqui no Brasil e só um terço disso tem banda larga e pode viver toda experiência do modo de vida online. Pô, são 200 milhões de habitantes... Nos EUA, a Internet cobre 90% da população e entre 60% e 70% são de banda larga... e isso há alguns anos.

Qual é a GenY brasileira se nem Internet ela tinha e só começa a ter agora??? E que poder de consumo definido esses jovens têm se só agora a família começou a ter grana pra gastar com compras que não são apenas para sobrevivência? Posso pensar aqui com meus botões q a GenY brazuca é mais GenX do q outra coisa??? No máximo um X' ou -Y?

Evidentemente q posso.

Então, a Geração Y brasileira é só o jovem bem nascido? Sim. São os jovens filhos de profissionais liberais e de uma elite que sempre teve a vida ligada ao mundo? Filhos de uma cultura global de quem já teve acesso a isso a gerações anteriores? É uma elite?

No Brasil, o conceito de Geração Y só cabe se vc estiver falando desses jovens da antiga classe média... antes da estabilidade econômica dos últimos anos.... OK, pustza novidade voltar o foco pra eles com conceitos importados dos EUA...

O assunto é longo e não gosto de escrever textos grandes assim no blog. Mas, prometo voltar ao tema. Enquanto isso, reflita um pouco se isso tudo não é relativo e estamos perdendo o foco sobre as nossas gerações... O Brasil tem mudado mais do que o mundo de uma forma geral e é bem provável que esses conceitos americanos só fiquem bons mesmo lá nos EUA.

8 comentários:

Mumu disse...

Até que enfim li um artigo sobre Geração Y que faça sentido!

ladyrasta disse...

"Então, a Geração Y brasileira é só o jovem bem nascido? Sim. São os jovens filhos de profissionais liberais e de uma elite que sempre teve a vida ligada ao mundo? Filhos de uma cultura global de quem já teve acesso a isso a gerações anteriores? É uma elite?"

Fico aqui pensando então que, a não ser o quesito "presença da internet", todos os jovens bem-nascidos brasileiros foram geração Y antes mesmo dela existir, hahaha.

Curti o lance dos ritos de passagem - sequer sei se eles estão muito presentes hoje em dia, pq tais ritos pressupõem esforço e certa dose de sacrifício para se passar para uma outra fase no videogame e...a não ser em videogames ninguém mais dá valor pra isso.

E eu não sei pq não tinha seu blog nos meus feeds, problema já sanado...

Tiago Nogueira disse...

Acho que a geração Y nunca chegou ao Brasil [pelo menos não de forma completa], pois uma geração não pode ser caracterizada por um aspecto em que ela não cresceu em conjunto.
Podemo afirmar que a genY dos estados unidos é totalmente diferente da genY brasileira.
Enquanto a internet foi a princpal mudança na genY americana, no Brasil o que formou a genY foi a "volta" da democracia.
Pouco tiveram acesso à internet na década de 90. Se observarmos direito, ainda hoje a internet não tem um impacto profundo na nossa sociedade.
Portanto, acho que estamos usando dois pesos e duas medidas para e genY.

Gilberto Pavoni Junior disse...

Mumu
Obrigado. Já percebi q não sou o único q pensa isso. Me falaram inclusive de bons especialistas famosos q estão descartando o conceito.
O conceito era interessante qdo surgiu, ainda nos anos 90. Nesses anos todos, ele só mostrou q na prática, a teoria é outra.

Ladyrasta.
Então, será q dá pra comprar os ritos de passagem no eBay???

Tiago
bem lembrado. Analisar q a (e se é q existe uma) Geração Y brasieira, ela seria influenciada pela volta da democracia, da abertura de mercado e do pior ensino das últimas décadas... nada, nada, nada de tecnologia.

Nikiforos Philyppis disse...

Vi o seu blogpor um post do Twitter.

Parabéns! O artigo mais conciso, realista e bem embasado sobre "GenY" que eu já li. E li muita M... sobre isto nos últimos 2 meses.

Thiago disse...

http://en.wikipedia.org/wiki/Shampoo_Planet

Quando se fala em geracao Y,
geracao se refere a essa galerem serem irmaos e irmas mais novos da Gen X, e nao seus filhos)

A geracao Y esta claramente diferenciada da Geracao X por uma caracteristica marcante - o pessoal da geracao Y tem cabelos im-pe-ca-veis. Nao tem nada a ver com classe social, internet, nada disso.

Eh questao de cabelo, minha gente.

Gilberto Pavoni Junior disse...

Nikiforos Philyppis
Obrigado. Como eu disse, fico feliz de ver q não sou o único q acha q é a Terra q gira em torno do Sol.

Thiago
é interessante esse enfoque fraternal. Qto aos cabelos, isso explica o fashionismo em torno do tema.... mas, cuidar dos cabelos é tããão brilhantina e laquê... tããão anos 50.

Thiago disse...

sim eh bem anos 50, o cuidado deles com os cabelos e roupas pokevoluiu de uma caracteristica da Geracao X de tentar negar a moda criando combinacoes pessoais normalmente composta de pedacos de decadas passadas. ate escaneei uma arte original do livro olha so kkkkk...

http://bit.ly/aVaAPW

Marcadores em Destaque

 
Template design by Amanda @ Blogger Buster